Comissão da Câmara aprova prisão a quem tocar policial em abordagem

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (14) um projeto de lei que prevê detenção de três meses a um ano, além de multa, a quem tocar em um policial durante uma abordagem. A matéria é do deputado Bibo Nunes (PL-RS) e relatada por Daniel Silveira (PTB-RJ) — que recentemente foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal e recebeu graça constitucional do presidente Jair Bolsonaro (PL). O texto foi aprovado sem muita discussão e agora segue à Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, a CCJ.

 

“Ao ser abordado por um policial, o cidadão deve atender às ordens do policial; deixar as mãos livres e visíveis; não realizar movimentos bruscos; não tocar no policial; e manter uma distância mínima de um metro do policial. O descumprimento do disposto neste artigo sujeita o cidadão à pena de detenção de três meses a um ano, e multa”, diz o projeto.

Na justificativa, Nunes afirmou que “no atual Estado democrático de direito, não cabem abordagens policiais que desrespeitem os parâmetros legais e os direitos fundamentais dos cidadãos”, mas que não se pode “esquecer que existem abusos por parte do cidadão abordado. “Não são raras as vezes que um suspeito, durante uma abordagem, age de maneira irracional e violenta, colocando em risco a integridade física dos policiais e das operações”, afirmou.

 

No relatório, Daniel Silveira afirmou que o projeto “aumenta a segurança, não só dos policiais, mas, também, do próprio ‘cidadão de bem’, aquele que nada deve à sociedade e à Justiça”. Durante a sessão, o deputado defendeu que “o policial está adestrado a abordar, mas o cidadão não está adestrado para obedecer”.

O cidadão sabe dos direitos, mas não sabe dos deveres. Quando é abordado, ele acaba resistindo, porque não foi ensinado. E o policial não sabe com quem está lidando. Uma senhora de 80 anos pode ser uma traficante, pode estar armada. Peço a aprovação, porque toda vez que um policial tem que exceder, mesmo dentro do protocolo de uso de força, é usado pela mídia contra as forças policiais para colocar a culpa na polícia”, disse.

 

Recentemente, ganhou grande repercussão no país o caso de Genivaldo de Jesus Santos, homem de 38 anos com esquizofrenia abordado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) que morreu em uma espécie de “câmara de gás” feita na viatura da corporação.

 

Nesta semana, a Justiça Federal de Sergipe negou o pedido de prisão preventiva dos policiais rodoviários federais envolvidos na morte de Genivaldo alegando que nessa fase da investigação, “apenas a autoridade policial e o Ministério Público Federal (MPF) podem solicitar [a prisão]”. O pedido foi feito pela família da vítima.

Fonte: R7

.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo