Um mês do furto a apartamento de Carlinhos Maia: inquérito segue em fase de apuração

O furto milionário ao apartamento do influenciador digital alagoano Carlinhos Maia completa um mês nesta quarta-feira, 29. Desde o dia do crime, a Polícia Civil de Alagoas (PC-AL) tenta manter o trabalho de investigação em sigilo para, segundo o órgão, não atrapalhar o inquérito. Até a última divulgação oficial, não haviam novas prisões de suspeitos, nem confirmação de bens recuperados.

O crime ganhou repercussão nacional e provocou uma onda de versões sobre o caso: desde a participação de pessoas ligadas ao influencer, até a imagens divulgadas de supostos assaltantes em hotel. Porém, nada foi confirmado oficialmente pelas forças de segurança responsáveis pela apuração do fato.

O delegado Lucimério Campos, presidente do inquérito, conversou com a reportagem do TNH1 nesta manhã e afirmou que os trabalhos seguem ininterruptos para esclarecer o crime. “A investigação está numa fase interna. Estamos trabalhando informações para logo trazer novidades e solucionar o caso. Até agora, foram três prisões, sendo que um foi liberado pela Justiça e dois seguem presos. Não houve novas prisões nessas semanas, nem recuperações de bens, mas nos próximos dias esperamos dar uma resposta”, disse o delegado.

O advogado Thiago de Araújo, que representa os suspeitos Émerson De Holanda Lira e Eliábio Nepomuceno, contou ao TNH1, também nesta quarta-feira, 29, que há provas de que os clientes não participaram do furto. Emerson foi solto depois de decisão da Justiça alagoana e aguarda a conclusão do inquérito com a família, em casa. Já Eliábio segue recluso no sistema prisional.

“Como o Poder Judiciário alagoano entrou em recesso, não há novidades em relação ao Eliábio. Acredito que no início de julho, devemos ter uma resposta. A polícia não conseguiu nenhuma imagem que comprovasse a participação dele e entendo que a Justiça vai relaxar a prisão”, informou o advogado.

“Ele está abalado, assim como a família, mas todos com esperança e acreditando na Justiça alagoana. A defesa juntou provas de que ele estava em Campina Grande no dia do crime”, continuou, destacando ainda que Eliábio foi transferido para o Presídio do Agreste, em Girau do Ponciano.

A reportagem tentou contato, sem sucesso, com a defesa de Wellington, outro suspeito que segue detido em presídio de Alagoas.

Invadido na madrugada de um domingo, dia 29 de maio, o apartamento onde Carlinhos Maia morava com o esposo, Lucas Guimarães, estava vazio, pois o influenciador estava internado em um hospital de Aracaju, onde se recuperava de uma cirurgia estética, enquanto o marido cumpria agenda de trabalho em Cancún, no México.

O crime – O apartamento de Carlinhos Maia, situado no bairro de Cruz das Almas, em Maceió, foi invadido por bandidos, na madrugada de 29 de maio, e o equivalente a aproximadamente R$ 5 milhões foi levado, entre joias, relógios, dinheiro em espécie e até mesmo um cofre. Em seu perfil no Instagram, o influenciador comentou o assalto. “Estou devastado. A vida toda nunca tive dinheiro e nunca precisei fazer isso! Não sei o que dizer. Devastado. Meu lar”, disse.

O advogado Luiz Gusman, que representa o casal, informou que Carlinhos Maia soube do furto após um vizinho entrar em contato. Segundo ele, o influenciador ficou transtornado quando foi avisado sobre o crime. “A gente tem acompanhado os trabalhos que a polícia vem desenvolvendo e vimos que há possibilidades, dentre elas, que o crime pode ter sido cometido por pessoas próximas”, afirmou no dia 30 de maio.

(Havia câmera interna no apartamento?) Não, só havia uma câmera. Isso é um detalhe, inclusive, que tem apenas uma câmera no corredor e outra na frente da porta do Carlinhos Maia, as duas foram viradas. (Qual câmera captou o momento que os suspeitos saem?) Foram câmeras da garagem, mas elas pegam a imagem bem distante, dá para a gente identificar silhuetas mais ou menos de entrada e saída, mas são câmeras distantes do local. As imagens que foram possíveis colher não fornecem muitos elementos, o que dá para a gente ver é que possivelmente eles estavam todos cobertos e usando luva, o que dificulta possivelmente a coleta de material”, afirmou Campos.

Três suspeitos presos na Paraíba – As três pessoas que foram presas na operação policial, sob a suspeita de participação no furto milionário, estavam em Campina Grande, no estado da Paraíba. Um veículo e materiais que teriam sido usados para a invasão do imóvel foram apreendidos.

Os suspeitos presos pela polícia foram Émerson De Holanda Lira, Eliábio Nepomuceno e Wellington Medeiros. Os três seriam moradores da Zona Leste de Campina Grande e foram apontados pela polícia como autores do crime.

Suspeitos seriam cúmplices em outros crimes – A Polícia Civil confirmou que um dos supostos assaltantes tem passagem pela polícia por arrombamento de casa. “Um tinha passagem pela polícia por arrombamento de residência em Campina Grande. Duas pessoas também foram presas por invadir uma casa em 2019, e levaram pertences de altos valores”, disse o delegado Lucimério Campos, que preside o inquérito.

Ainda segundo a polícia, o trio não possui grau de parentesco, porém são cúmplices neste tipo de delito, praticado há anos.

Carro apreendido com trio estava em oficina de suspeito – O carro Fox usado para transportar os suspeitos do crime foi localizado numa oficina em Campina Grande, onde o carro seria desmontado.

Ainda de acordo com a polícia, o serviço de inteligência rastreou o automóvel e, a partir disso, os suspeitos foram identificados e detidos. O automóvel foi usado apenas para o furto e estaria rondando o apartamento do influenciador momentos antes do crime.

Bens de influenciador não foram recuperados em operação na PB – O delegado Thales Araújo, que também está à frente do caso, informou que os bens do influenciador não foram recuperados na operação.

“Após todos esses passos, depois de dias de vigilância e cerco, identificamos o carro e os suspeitos. Nós também contamos com o apoio da PC da Paraíba. Os bens não foram recuperados e essa recuperação faz parte do processo das investigações”, disse à época.

Um dos suspeitos é solto após decisão judicial – O paraibano Emerson de Holanda Lira, um dos três suspeitos de participação no furto milionário, deixou o sistema prisional de Alagoas no dia 9 de junho, após a justiça aceitar o pedido da defesa dele e revogar a prisão preventiva.

“Vou provar a minha inocência, só Deus sabe o que eu passei aqui”, afirmou Emerson, durante a saída do presídio, à reportagem da TV Pajuçara. Em entrevista ao TNH1, Thiago de Araújo, o advogado do suspeito, disse que a prisão foi arbitrária e que a polícia não apresentou indícios da participação do cliente com o furto ao apartamento de Carlinhos Maia.

Outras imagens foram divulgadas duas semanas após crime – No último dia 13, novas filmagens divulgadas pelo jornalista Luiz Bacci, da Record TVmostram os suspeitos, supostamente, retornando após o furto milionário. O vídeo teria sido gravado aproximadamente 20 minutos depois do assalto.

A Polícia Civil, no entanto, não confirmou se o vídeo foi anexado ao inquérito. Por meio de nota, enviada para a imprensa no dia 15 de junho, a Polícia Civil reiterou que quaisquer notícias relativas ao furto no apartamento do influenciador digital serão divulgadas pelos delegados responsáveis pelas investigações do caso, por meio da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da instituição.

“O objetivo é não atrapalhar as investigações em curso, neste momento. O esclarecimento vem em razão de uma emissora de televisão, em nível nacional, haver exibido imagens de um casal entrando em um hotel de Maceió e atribuindo a um integrante da PC/AL a confirmação de que tais pessoas teriam envolvimento com o furto ao apartamento do influenciador digital. A Polícia Civil de Alagoas não se responsabiliza por este tipo de veiculação”, mostra trecho do comunicado.

tnh1

.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo