O que Alagoas pode aprender com Aruba

Alagoas. Aruba, Há muito mais em comum entre esses adoráveis destinos turísticos do que a letra inicial. Ambos são locais de sol e mar e têm uma deliciosa gastronomia regional. Porém, Aruba atrai, por ano, cerca de 2 milhões de turistas. Alagoas pode estar em um patamar similar, mas a grande maioria são brasileiros que, evidentemente são bem-vindos, mas historicamente deixam menos dinheiro no estado.

Respeitadas as particularidades de cada destino, há lições de Aruba que Alagoas poderia aproveitar. Afinal, há cerca de 30 anos, não mais, a pequena ilha no sul do Caribe sequer era conhecida dos brasileiros – e de todo o mundo. Mas um projeto de longo prazo a transformou em um dos destinos mais concorridos das Américas. Não foi sorte, foi trabalho.

Conectividade, o início de tudo

Quando quis crescer como destino turístico, Aruba investiu pesado na conectividade. Sendo uma ilha, era ainda mais crucial desenvolver formas de trazer turistas. O aeroporto Reina Beatrix é moderno, bem estruturado e com capacidade para receber inúmeros voos. E recebe. Diariamente há conexões com os Estados Unidos, Canadá, Amsterdã, Madri, Panamá, Bogotá, Caracas, México e diversas ilhas do Caribe. Alagoas deu um passo na direção certa quando trouxe o voo TAP para Maceió. Mas é preciso ir além e atrair outras companhias, de outros países.

Terra e mar

Em relação a Aruba, Alagoas tem a vantagem de se conectar por terra. Mas as estradas precisam apresentar boas condições, seja no asfalto, seja na estrutura de apoio. E Aruba ganha de Alagoas na conexão marítima – a ilha é parada frequente de inúmeros cruzeiros. Alagoas também poderia ser, desenvolvendo uma estrutura portuária moderna e funcional.

É do Caribe

Durante muitos anos, Aruba investiu pesado em publicidade, com o intuito de criar uma imagem para o destino, atrair novos passageiros e, assim, estabelecer uma demanda. O slogan “Aruba é do Caribe” ainda é lembrado no Brasil e vendeu bem a imagem de ilha paradisíaca. Alagoas não é Caribe, mas certamente haverá algum predicado que valha a pena martelar. Ninguém viaja para onde não lembra que existe.

Estrutura hoteleira

Se um destino turístico quer ser grande, tem que pensar grande. E ter hotéis do mesmo porte. Aruba possui uma enorme oferta de quartos, que permite atender um público amplo, em diversos níveis de conforto. Também possui variados modelos de acomodação – desde o famoso Bed & Breakfast até o All Inclusive, passando por alojamentos familiares e hotéis de charme. Turista não é tudo igual, então os hotéis também não devem ser.

Mais que praia

A ensolarada Aruba também tem uma atração que hoje é inacessível ao turista em Alagoas – os cassinos. Espalhados pelos grandes resorts, eles trazem as famosas roletas, os caça-níqueis e mesas de blackjack, garantindo uma atividade lúdica para depois da praia. Aos alagoanos, resta buscar opções online desse divertimento. Mas ao menos a praia está garantida. E se cassinos não são uma opção, pode-se incorporar os shows noturnos, sejam eles folclóricos ou internacionais. O que não pode acontecer é o destino se apagar com o pôr do sol.

Palco de eventos

Aruba também investe para ser conhecida como um local de eventos. Não apenas encontros corporativos, mas também festas e festivais, como torneios esportivos e shows musicais. Aqui, Alagoas também já caminhou um pouco. Mas o ideal é desenvolver um calendário completo para, pelo menos, três anos.

Serviços profissionais

Aruba também investiu pesado na formação de seus profissionais de turismo. Atendentes de hotel, guias, garçons – todos mantêm um padrão de qualidade que, na soma, deixa uma boa impressão no turista. Para um bom treinamento, a internacionalização dos instrutores é um caminho virtuoso. Com o intercâmbio de experiência, o aprendizado se acelera. E certamente há muitos trabalhadores interessados em passar uma temporada em Alagoas.

Por fim… há limites

A última lição que Aruba pode dar é que há limites para o turismo. Um crescimento desenfreado causa diversos contratempos como poluição, falta de água ou energia, destruição do meio ambiente e problemas de abastecimento. Tudo isso cria uma experiência de viagem ruim, que afasta o turista e deprecia o valor do destino. Aruba soube quando parar de crescer e hoje se dedica a melhorar o que já existe. Por isso, tal como dito no primeiro parágrafo, é necessário um planejamento de longo prazo que inclua mecanismos para manter Alagoas sempre do jeito que ela é – maravilhosa.

 

.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo