“Cobri no cacete”: paciente morre após tortura em clínica de reabilitação

São Paulo — O dependente químico Jarmo Celestino de Santana, de 55 anos, morreu, nessa segunda-feira (8/7), após ser torturado e espancado em uma clínica de reabilitação, na qual deu entrada três dias antes, em Cotia, na Grande São Paulo.

O monitor terapêutico Matheus de Camargo Pinto, 24, foi preso em flagrante após a polícia ter acesso a um vídeo (assista abaixo) feito pelo próprio indiciado, no qual a vítima aparece amarrada em uma cadeira. Matheus também gravou um áudio, compartilhado em redes sociais, no qual afirma ter espancado Jarmo até a mão doer (ouça abaixo).

“O áudio foi um dos indicativos [para a prisão], mostrando que ele [Matheus] realmente torturou o rapaz, bateu muito nele. Que a intenção era lesionar mesmo, enfim”, afirmou Adair Marques, delegado de Cotia.

O enfermeiro Cleber Fabiano da Silva, 48, é investigado pelo suposto envolvimento no espancamento, da mesma forma que outros funcionários da Comunidade Terapêutica Efatá.

A defesa dele, da clínica e de Matheus não foram localizadas. O espaço segue aberto para manifestações.

Espancamento e morte

O delegado Adair Marques afirmou nesta terça-feira (9/7) ao Metrópoles que a vítima foi espancada e, após passar mal, encaminhada para o Pronto Socorro de Vargem Grande Paulista, onde morreu.

“Ele provavelmente morreu por causa do espancamento, tudo indica que sim. Mas aguardamos que a perícia confirme a causa da morte”.

O delegado afirmou que Jarmo deu entrada na clínica na noite de sexta-feira (5), quando profissionais do local foram buscá-lo em casa.

Familiares acionaram a instituição alegando que Jarmo “estava surtado” na residência onde mora com a mãe, uma idosa. A agressividade ocorria por causa da dependência química do homem. Essa foi a última ocasião, em que a família viu o homem com vida.

A tortura e agressões ocorreram no intervalo de sexta para segunda, como mostram as investigações da Polícia Civil.

Cobri no pau

Matheus amarrou a vítima em uma cadeira e decidiu gravar a cena. No vídeo, ele aparece, juntamente com outras pessoas, debochando de Jarmo. Todos usavam roupas de frio enquanto o homem estava sem camisa, usando somente uma bermuda.

O monitor também gravou um áudio, falando sobre a violência. “Cobri [a vítima] no cacete, cobri…Chegou aqui na unidade, [veio] pagar de bravo, cobri no pau”, afirmou.

Após ser preso, Matheus afirmou ter usado de força contra Jarmo, alegando que fez isso para “conter” o interno. Segundo o indiciado, o homem estaria exaltado e violento com outros pacientes.

Jarmo ficou com hematomas na cabeça e pelo corpo, como mostram imagens enviadas ao Metrópoles.

As investigações, agora, focam na identificação de mais pessoas eventualmente envolvidas na tortura seguida de morte. As licenças de funcionamento da clínica, assim como a capacitação do preso para cuidar de dependentes químicos também são apuradas.

Veja o vídeo completo em Metrópoles

.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo