Morre em Brasília Francisco Alberto Sales, fundador da Casa do Penedo

Morreu nesta terça-feira (18), em Brasília, aos 78 anos o psiquiatra alagoano Francisco Alberto Sales, idealizador, fundador e mantenedor da Fundação Casa do Penedo, que abriga acervo histórico e bibliográfico sobre o município e a região do Baixo São Francisco de Alagoas. Ele lutava contra um câncer. A informação foi confirmada ao G1 pelo sobrinho dele, o cineasta Werner Salles.

A Prefeitura de Penedo, onde Francisco Alberto Sales nasceu, em 19 de novembro de 1939, decretou luto oficial de três dias. Ele se formou na primeira turma de Medicina da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e se dividia entre o município do interior alagoano e a capital federal, onde trabalhou como psiquiatra durante muitos anos.

“Fez a vida dele em Brasilia, como médico psiquiatra, estava aposentado e acalentava o sonho da Fundação Casa do Penedo, dedicando grande parte do seu tempo em transformar a cidade, através da memória e da cultura”, disse Werner Salles.

O velório e o sepultamento do corpo de Sales vai acontecer em Brasília, no Cemitério Campo da Boa Esperança, na quarta (19).

Em 1992, criou a Fundação Casa do Penedo, na casa em que morou com os pais e os irmãos na Rua João Pessoa, número 126, no Centro Histórico do município alagoano.

Os bens que ajudam a preservar a história de Penedo foram adquiridos com recursos do próprio médico e também por doações de penedenses.

O médico comprou com recursos próprios o prédio do Chalé dos Loureiros para transformar no Museu do São Fracisco. A obra de restauração do chalé contou com investimentos do Iphan, totalizando R$ 2,7 milhões, e com projeto elaborado pela Prefeitura de Penedo.

O juiz de Penedo e amigo de Francisco Sales, Claudemiro Avelino de Souza, publicou homenagem nas redes sociais.

“Tomba de vez nessa manhã o Presidente da Fundação Casa do Penedo Dr. Francisco Alberto Sales. (…) Médico, escritor, cronista, deu à cultura das Alagoas, além da sua dedicação à preservação da memória, as obras Arruando para o Forte – 2003; Elysio de Carvalho – 2000; Lições arquivadas: Jornalismo, Política e Literatura em Alagoas, dentre outros”, disse o magistrado.

G1

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com