Maceió registra quase 150 casos de hanseníase em um ano e meio

Em um ano e meio, a capital alagoana diagnosticou quase 150 novos casos de hanseníase, segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Em 2019, quarenta pessoas foram confirmadas com a patologia, que ainda envolve estigma e preconceito, apesar do tratamento possibilitar a cura e evitar sequelas.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) revela que o Brasil é o segundo país com o maior número de novos casos detectados da doença a cada ano, atrás apenas da Índia, e que em 2018 foram quase 29 mil registros.

O Programa Municipal de Controle da Hanseníase da Prefeitura de Maceió acompanha os casos e, esta semana, promove capacitação sobre diagnóstico e manejo clínico da hanseníase. Ela provoca alterações na pele e nos nervos periféricos, podendo ocasionar, em alguns casos, lesões neurais, o que gera níveis de incapacidade física.

O Ministério da Saúde alerta que a hanseníase é uma doença crônica que pode acometer pessoas de ambos os sexos e de qualquer idade. É transmitida pelas vias aéreas superiores (tosse ou espirro), por meio do convívio próximo e prolongado com uma pessoa sem tratamento.

gazetaweb

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com