Justiça determina interdição de delegacia de Igreja Nova

A Justiça estadual determinou a imediata interdição das celas da Delegacia de Polícia de Igreja Nova, proibindo a permanência de novos presos definitivos e de novos presos provisórios por mais de 24 horas, tempo necessário para a conversão da prisão em flagrante para preventiva. A decisão foi proferida pelo juiz Guilherme Bubolz Bohm, responsável pela Comarca, nesta quarta-feira (20).

O magistrado determinou ainda a transferência de todos os presos custodiados atualmente na delegacia, no prazo de 15 dias, a partir da comunicação da decisão às Secretárias de Estado de Segurança Pública (SSP) e de Ressocialização e Inclusão Social (Seris).

A decisão prevê também que o Estado forneça, em até 60 dias, um laudo técnico de engenharia, indicando as mudanças estruturais necessárias à manutenção e à readequação do prédio da delegacia. Em caso de descumprimento de cada determinação da decisão, o juiz estipulou multa diária no valor de R$ 5 mil reais.

Liminar em Ação Civil Pública

O Ministério Público ajuizou uma ação civil pública alegando que a delegacia de Igreja Nova estaria apresentando inúmeras deficiências estruturais, servindo indevidamente de carceragem para presos.

Na decisão que concedeu a medida liminar, o magistrado Guilherme Bohm destacou que os vizinhos da delegacia e a população igrejanovense em geral têm o direito fundamental à segurança pública. O juiz explicou ainda que os policiais, enquanto trabalhadores, e os próprios presos devem ter garantida a sua dignidade humana, sendo vedado o tratamento desumano e degradante.

“A responsabilidade (diga-se, em regra, objetiva) pela integridade física e moral dos presos cabe ao Estado (art. 5º, XLIX, e art. 37, § 6º, da CRFB); bem como que o Estado tem o dever de garantir a segurança pública e, para isso, deve aparelhar adequadamente a polícia civil”, disse.

Avaliando a prova documental, o juiz verificou que há “grande probabilidade de que tais direitos e garantias fundamentais estão sendo violados pelo Estado.”  Ainda, destacou que há a presença de sério perigo de dano irreparável, pois o espaço da Delegacia de Polícia não deve ser destinado à manutenção de presos.

“Primeiro, porque não há estrutura física apta a proporcionar condições adequadas de iluminação, ventilação e higiene, o que torna o ambiente altamente insalubre, causando riscos de proliferação de doenças e contágio de presos, policiais e da população vizinha. Segundo, porque não há estrutura física e efetivo policial suficiente para garantir a segurança dos agentes de polícia e dos próprios presos, bem como da população civil, havendo risco de rebeliões, motins e fugas”, frisou.

Ainda segundo o magistrado Guilherme  Bohm, a estrutura inadequada e precária gera risco de acidentes, como incêndios, e a população do entorno da Delegacia estaria sendo constantemente submetida a risco de contágio de doenças e de violação de sua integridade física e moral, bem como de sua vida, em caso de possível rebelião, motim, ou fuga.

Por fim, destacou que a falta de efetivo policial e de estrutura física, somada à necessidade de custódia de presos mantidos na Delegacia, acarreta evidente prejuízo ao desempenho da atividade fim da policial civil.

 

gazetaweb.globo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com