AlagoasDestaque

Instituições ambientais iniciam mais uma etapa de fiscalização do São Francisco

Tem início nesta segunda-feira (5) mais uma etapa da Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) do São Francisco, sob coordenação do Ministério Público Estadual (MPE), com o objetivo de proteger o meio ambiente e melhorar a qualidade de vida das populações ribeirinhas. Esta é a 10° etapa da fiscalização, que conta com o apoio de órgãos estaduais e federais de defesa do meio ambiente, como o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF).

E esta edição começa com novidades. Foram incorporadas aos trabalhos mais duas equipes: a de Segurança em Barragem – que verificará os perigos iminentes que esses locais podem apresentar – e a de Inteligência – que servirá como apoio as demais equipes.

Com profissionais de diferentes áreas, distribuídos em 14 equipes, a  etapa vai atuar em diversos setores, a exemplo do combate ao lançamento de efluentes sólidos e líquidos nas águas, além da captação irregular de recursos hídricos, supressão de vegetação, comércio  e criação de animais silvestres, pesca predatória e gestão inadequada de lixo. A produção irregular de produtos para consumo humano também será alvo da fiscalização.

“Nosso foco é melhorar a qualidade e quantidade de água na bacia hidrográfica do Rio São Francisco e consequentemente a qualidade  de vida da população através de várias frentes de trabalho. Para isso atuamos fiscalizando e cumprindo uma agenda positiva, com ações voltadas  para a educação ambiental. Além disso, retornaremos aos alvos para verificarmos se as normas estão sendo cumpridas “, ressaltou o procurador de Justiça, Alberto Fonseca.

O resultado dessas ações fiscalizatórias pode ser comprovado pelos desdobramentos positivos verificados ao longo desses anos através das respostas dadas à sociedade.

“Após a atuação da FPI, notamos a melhoria da qualidade da água oferecida à população, o que provavelmente é um fator de contribuição para a diminuição de índices como os de doenças diarréicas”, frisou o promotor Alberto Fonseca.

O vice-presidente do CBHSF, Maciel Oliveira, também ressalta que a melhoria na qualidade de vida da população do entorno do Rio  São Francisco é a resposta de que as ações da FPI têm surtido efeito. “Fiscalizamos, orientamos, educamos, traçamos um diagnóstico da situação para desenvolver políticas públicas que atendam as prioridades de cada comunidade”, disse.

Os resultados da operação serão apresentados aos gestores municipais, entidades de classe e representantes da sociedade civil, em uma audiência pública, que será realizada na cidade de Major Isidoro, no dia 16 de agosto

FPI

O Programa de Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) surgiu com o objetivo de diagnosticar os danos ambientais na Bacia do Rio São Francisco e adotar medidas preventivas,  por meio de uma ação integrada e continuada de diferentes órgãos estaduais e federais,  para  que o processo de recuperação da bacia hidrográfica aconteça.

Para isso  os profissionais envolvidos foram divididos em 14 grupos de trabalho, assim definidos: resíduos sólidos e extração mineral; produtos de origem animal e vegetal e de origem perigosa; abastecimento de água e esgotamento sanitário; ocupação irregular às margens do São Francisco;  aquática; centros de saúde;  fauna; flora; educação ambiental; patrimônio cultural e comunidades tradicionais;  inteligência; segurança de barragem; gestão ambiental,  coordenação e e comunicação.

As equipes  que atuarão na ação são compostas pelo Ministério Público do Estado de Alagoas, Ministério Público Federal, Ministério Público do Trabalho, Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Secretaria da Fazenda do Estado de Alagoas, Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas, Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Agrário, Secretaria de Estado da Pesca e da Aquicultura, Instituto para Preservação da Mata Atlântica, Polícia Militar de Alagoas e Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Alagoas.

Também fazem parte o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, Departamento Nacional de Produção Mineral, Polícia Rodoviária Federal, Superintendência do Patrimônio da União, Instituto do Meio Ambiente, Marinha do Brasil, Fundação Nacional da Saúde, Fundação Nacional do Índio, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas e Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Alagoas.

gazetaweb

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar