Governo de Alagoas gasta R$ 5,4 milhões com coroas, arranjos e buquês de flores

O governo de Alagoas pretende gastar este ano R$ 5,448 milhões com aquisição de coroas, arranjos e buquês de flores naturais fornecidos pela empresa L&S Floricultura e Presentes Ltda., vencedora do pregão eletrônico realizado pelo Estado em agosto do ano passado.

A assinatura do contrato entre governo e a empresa – cujo nome de fantasia é Loja Amelie, localizada na Avenida Dr. Antônio Gomes de Barros, em Maceió – foi realizada na sexta-feira (15), como consta na Ata de Registros de Preços nº 027/2019, da Agência de Modernização da Gestão de Processos (Amgesp).

De acordo com o documento, que tem validade de um ano, somente com arranjo de flores naturais serão gastos R$ 3,688 milhões. O governo pretende aquirir 1.048 unidades desses arranjos, ao preço de R$ 3,5 mil a unidade.

O produto, que mede um metro de altura, servirá “para decoração de charola [andor], envolvendo toda a parte posterior de imagem sacra, seguidos de uma cascata de flores envolvendo toda a base da charola”. Segundo o texto, cabe ao governo, além de desembolsar o valor especificado, escolher entre rosas, antúrios, lírios, gérberas, helicônias, tangos e gypsophilas.

O contrato prevê ainda a aquisição de 829 coroas fúnebres de flores naturais e folhagens, ao valor unitário de R$ 250 – o que totaliza R$ 207,25 mil. Para esse produto, que será acompanhado de uma fita com mensagem de condolências, fica a cargo da administração escolher entre rosas, antúrios, lírios, gérberas, tangos e gypsophilas.

Segundo a ata da Amgesp, os valores poderão ser revistos em decorrência de eventual redução dos preços praticados no mercado ou “de fato que eleve o custo do objeto registrado”. Nesse caso, cabe ao governo promover as negociações junto ao fornecedor, diz o documento.

Em nota enviada à Gazetaweb, a Amgesp informa que as Atas de Registro de Preços tratam de expectativas de compras que podem ou não se efetivar. “Este recurso serve para que o fornecedor – vencedor do pregão eletrônico – se comprometa a manter o preço registrado em ata pelo período de 12 meses”, diz a nota.

Segundo a Amgesp, o documento não é um contrato de compra e a Administração Pública não é obrigada a realizar nenhuma compra contida na ata. “A Ata nº 027/2019 se refere a expectativas de 11 órgãos para eventos e cerimoniais”, diz a nota.

“A Administração Pública realiza pesquisa de mercado periodicamente a fim de verificar se os preços são vantajosos e, em caso do preço registrado na ata se tornar superior ao do mercado, os fornecedores são convocados para negociar a redução aos valores praticados pelo mercado”, reforça.

 

gazetaweb.globo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

WP2FB Auto Publish Powered By : XYZScripts.com