Brasil/Mundo

Estudo avalia o que vai ser o “novo normal” no pós-pandemia no Brasil

Todas as pessoas, nos últimos quatro meses, vislumbrou o retorno à vidade normal após a pandemia. O “normal”, no entanto, não será como antes. Tanto quem cumpre a quarentena como se deve, saindo de casa o mínimo possível, como quem desafia as leis e recomendações sanitárias a respeito do distanciamento social viu sua rotina mudar e adotou novos hábitos desde o mês de março e ao menos parte deles deve permanecer, conforme uma pesquisa da Bain publicada pela revista Exame.

O estudo, que ouviu 1597 pessoas de diferentes estados e níveis de renda em 30 de junho, indica que aquele foi o mês quando as coisas pararam de piorar. O afrouxamento das medidas contra a covid-19 aumentou a sensação de normalidade, e a intenção de gasto parou de cair em relação a abril e maio.

“Entre as tendências que vimos aparecer, apostamos em três como parte de um ‘novo normal’”, diz Federico Eisner, sócio da Bain.

Mundo digital

A primeira tendência é o rompimento da resistência ao uso de plataformas digitais, como aplicativos de delivery e de vídeoconferências. A substituição dos canais tradicionais de compra ocorre em todos os segmentos de renda. Entre os mais ricos, cerca de 83% dos entrevistados esperam manter algum grau dessas novas maneiras de comprar. Alimentos e restaurantes são as categorias que mostram a maior mudança para novos canais.

Desde o inicio da quarentena, aplicativos de delivery registraram um aumento de 33% no número de novos usuários, enquanto consultas médicas online tiveram alta de 18% na mesma comparação. O movimento se repete na área de entretenimento e com outros tipos de facilidades digitais. Quem ganhou com isso foi o comércio online. Só IFood e Mercado Livre trazem, juntos, 40% desse incremento de novos usuários. Mas WhatsApp, Amazon e Magalu também estão entre as empresas que trouxeram mais pessoas para esse universo: “E os consumidores estão tendo experiências boas e recomendando a outros, o que reforça a ideia de que não vão voltar totalmente para antigos hábitos de compra”, diz.

Foco na saúde

A segunda tendência identificada pela Bain para o ‘novo normal’ é o foco em saúde e bem-estar. Alimentos frescos foram os grandes cobiçados durante a quarentena. A necessidade de ficar em casa contribuiu, mas essa preocupação seguiu forte em junho. De abril a junho a porcentagem de pessoas que disseram estar gastando mais ou muito mais com os itens se manteve em alta, ao redor dos 20%. Fora as categorias de cuidados pessoais e com a casa, todas as outras tiveram queda na intenção de consumo, apesar de estarem mostrando estabilização.

Em junho, também caiu em sete pontos percentuais a taxa de pessoas que disseram estar gastando menos com atividades físicas. A tendência tem sido vista também na China, onde os consumidores seguiram mais exigentes com a saúde mesmo após dois meses do fim da quarentena no país.

Redefinição de valor

A pesquisa da Bain também mostra um movimento de redefinição de valor. “As pessoas estão acreditando que devem gastar mais por melhores produtos”, diz o especialista. A migração de consumidores para marcas de maior valor aumentou de forma significativa durante a crise e se manteve em junho. Entre os de maior renda, a tendência foi desigual entre as categorias.

Os dados indicam que o pior momento para a atividade ficou em abril e maio. Essa percepção também começa a crescer em meio à população a partir de junho, quando algumas tendências negativas começam a se dispersar. Uma delas é a melhora da confiança em relação ao consumo. “As pessoa ainda estão gastando menos em relação ao período pré-crise, é claro, mas começou a haver uma estabilização”, diz.

Enquanto de abril a maio, várias categorias continuaram tendo quedas significativas na intenção de gasto, em junho todas ficaram praticamente estáveis.

Fonte:7segundos

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar