AlagoasDestaque

Documento escancara farsa de marca plagiada do governo de Alagoas

no país e no mundo. As ‘gotas’ em volta do nosso símbolo trazem a sensação da água, formando assim um ecossistema, uma síntese visual desse estado cada vez mais moderno, jovem e pronto para se adaptar às mudanças do cotidiano”.

Esse texto, que soa poético e bem representativo do que “seria” Alagoas, faz parte do significado do ícone da nova marca do Estado na segunda gestão do governo Renan Filho (MDB). Mas tudo se trata de plágio. A logomarca é uma cópia idêntica à logo do parque aquático Thermas Hot World, localizado no município de Águas de Lindoia, em São Paulo, conforme revelou a Gazeta em publicação na edição do último final de semana. Documento enviado a secretarias do governo revela a farsa que se tornou a criação do produto.

A peça, que supostamente teria sido idealizada com aprovação do marqueteiro do governador, Adriano Gheres, está registrada no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), desde 29 de março de 2018, em nome do parque aquático paulista, antes mesmo do fim do primeiro mandato do atual governador. A cópia da gestão Renan Filho demonstra claramente que o Estado local foi enganado, assim como o povo alagoano, responsável pelo pagamento das cotas de publicidade do governo, que, ano passado, foram de R$ 19,35 milhões com serviços de comunicação com agências de publicidade, conforme consta no Portal da Transparência.

Significado de cada cor presente em marca alvo de plágio pelo governo

FOTO: DIVULGAÇÃO

 

Em roda de conversa com participante do encontro, o marqueteiro teria dito que traria um pessoal conceituado de fora de Alagoas, para a criação do produto, por considerar que, em Alagoas, poucos teriam essa capacidade de produzir uma marca para o Estado. Como resultado, apresentaram uma cópia.

“Essas cores juntas mostram a força de um povo, homens e mulheres que lutam unidos por um estado melhor, de outro lado a entrega na forma de governar que traz a pluralidade de quem olha por todos e todas”, prossegue o texto de defesa da marca, constante no manual distribuído para as secretarias e órgãos do Estado.

Trata-se de uma enganação, diante da constatação de que a logo pertence a outra empresa e foi criada, inclusive, por um artista russo Roma Kaer, que criou um alfabeto estilizado e colorido, no qual a letra V é justamente a mesma logomarca. Ele comercializa os produtos por meio de página no Instagram e, em resposta à Gazeta, informou que o assunto teria que ser abordado com Bruno Iastori Mantovani, um designer brasileiro, famoso, e que, coincidentemente, tem a mesma referência da agência indicada pelo parque aquático como responsável pela criação da logo para a Hot World, a Bruno Mantovani AG.

A comunicação do parque de lazer paulista já havia informado também que “a priori entraremos em contato, para solicitar que retirem a logo, pois trata-se de uma identidade, assim como não se pode existir dois RGs (Registro Geral de pessoa física), não se pode existir duas logomarcas”.

O plágio da logomarca utilizada pela atual gestão estadual veio à tona há três semanas, ocasião em que a Gazeta acionou o marqueteiro Adriano Gheres e o secretário estadual de Comunicação, Ênio Lins, mas, até agora, os dois têm mantido silêncio sobre a questão.

GazetaWeb

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar