AlagoasDestaque

Casos de dengue crescem 510% no ano de 2019, em Alagoas

Alagoas está entre os estados com risco elevado de enfrentar um novo surto de dengue a partir de março de 2020. O alerta foi emitido nessa quarta-feira (15), pelo Ministério da Saúde, e serve para toda a região Nordeste, além do Rio de Janeiro e do Espírito Santo. Desde o ano passado, os casos da doença aumentaram em 510% no Estado.

De acordo com o relatório do Sistema de Informação de Agravos de Notificação do Ministério da Saúde (Sinan/MS) disponibilizados pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), os casos de dengue dispararam de 2.120, em 2018, para 12.936, em 2019. Os casos de zika e chikungunya também aumentaram.

De 134, os de zika pularam para 305, enquanto a chikungunya cresceu de 207 para 1.360. Somente em Maceió, foram registrados 4.725 casos de dengue no ano passado, dos quais 4.486 estão confirmados, 233 foram descartados e os demais permanecem sendo investigados.

Estes números, repassados pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS), são bem superiores aos de 2018, quando 456 casos foram notificados. O aumento de um ano para o outro alcança 936% somente na capital.

E, diante do risco de mais um surto, as autoridades ligadas à vigilância epidemiológica estão sendo alertadas a adotarem providências o mais rápido possível para conter a proliferação do mosquito Aedes aegypti, que, além da dengue, pode transmitir o zika vírus e a febre chikungunya. Estas arboviroses continuam fazendo inúmeras vítimas em todo o Brasil, inclusive em Alagoas.

SECRETARIA DE SAÚDE

A SMS informou que está atuando diariamente no sentido de desenvolver ações para o controle do vetor e visando a conscientização da população. O órgão garantiu que os trabalhos alcançam todos os bairros da capital, especialmente os que apresentam índices mais elevados de notificações. Estão sendo feitas inspeções nos imóveis, com a eliminação dos criadouros dos mosquitos, e campanhas educativas com os moradores.

Ainda conforme a secretaria, as atividades vêm sendo executadas nos oito distritos sanitários de Maceió, com ênfase em pontos estratégicos, que são os imóveis com quantitativo elevado de criadouros, como ferros-velhos, borracharias (com o recolhimento de pneus) e prédios.

Há uma atuação forte, também, no atendimento das denúncias feitas pela população por meio do disque denúncia (3312-5495) e em áreas onde é feita a notificação de casos, com o bloqueio da área, para evitar a transmissão da doença. A SMS adiantou que, já em 2020, foram feitas visitas para o Levantamento de Índice Rápido de Aedes Aegypti (LIRAa), que avalia o nível de dispersão do mosquito nos bairros. O resultado do 1º LIRAa do ano deve sair até o fim da semana.

AGENTES EM GREVE

Na prática, o trabalho de combate ao mosquito é executado pelos agentes de endemias. No entanto, na capital, estes servidores estão em greve desde setembro do ano passado para cobrar a implantação do piso salarial. O presidente do Sindicato dos Agentes de Saúde de Alagoas informou que somente 50% da categoria está em atividade e revelou que a maioria dos produtos utilizados para prevenção. está em falta Ao G1, o porta-voz do Ministério da Saúde, Roberto Said, explicou que a dengue é uma doença sazonal, com quadro dinâmico, podendo mudar em pouco tempo.

“Mas, no momento, os nove estados do Nordeste e as regiões do Sudeste com grande contingente populacional pouco afetadas em 2019 estão no nosso alerta”, disse. O Brasil registrou 1.544.987 casos de dengue em 2019, com 782 mortes. O crescimento é de 488% em relação a 2018, que foi um ano considerado atípico pela pasta ministerial.

GazetaWeb

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar