“A internet não esquece”, diz especialista sobre comportamento de profissionais nas redes sociais

As redes sociais são plataformas eficientes para quem quer se destacar nas áreas profissional ou pessoal. No entanto, é preciso sempre lembrar que uma única publicação pode prejudicar até mesmo uma carreira.

Na última semana, o tema ganhou repercussão após uma estudante de medicina de faculdade particular de Maceió ironizar a morte de uma paciente em seu Instagram.

Cada Minuto entrevistou a jornalista especialista em marketing e posicionamento digital, Meline Lopes que explicou qual o limite dessa exposição nas redes sociais.

Segundo a especialista, independente de código de ética, os profissionais devem respeitar o próximo, tratar as pessoas com igualdade e humanidade.

“Nós vivemos numa sociedade que o limite do outro deve ser respeitado. Pelo menos deveria ser assim”, disse.

Quando se fala nos profissionais da medicina, Meline reforça que, ao lidar com vidas, o cuidado deve ser ainda maior.

“Os profissionais devem estar atentos não só ao código de ética, mas também ao indivíduo, principalmente os estudantes que ainda estão entrando no mercado de trabalho”, explica.

Ela afirma que os estudantes mais novos que são da geração Tik Tok e Instagram não podem se deixar contaminar por causa da ‘lacração’. “Não pode se fazer comentários à custa da profissão. Acima de tudo existe uma imagem a ser zelada”.

A especialista disse que os profissionais da saúde devem ficar atentos a uma máxima das na internet: nada do que se posta não é esquecido. “Costumo falar que nós temos a memória curta, mas a internet, não. Aquela situação sempre será lembrada porque existem matérias e prints que relembram”.

Ela enfatiza que é preciso que os profissionais evitem e repensem sobre comentários para ver se eles não preconceituosos ou depreciativos. “Algumas profissões sequer podem ter auto promoção; outras não podem nem mostrar o rosto do paciente, entre outras situações. É fundamental que o profissional reveja o que ele pretende comentar ou fazer para não ser cancelado ou penalizado”.

Mas Meline pontua que o indivíduo deve pensar que, além de seguir a lei,  é preciso ter empatia. “Por você respeitar o outro, as diferenças, o ser humano como todo”.

Segundo ela, o estudante ou profissional deve estar sempre pensando na sua imagem pessoal. “Essa imagem precisa ser sempre acima da imagem profissional. Nós somos marcas pessoais”.

cadaminuto

.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo