O Governo de Alagoas poderá cair no colo de Rodrigo Cunha.

Nas eleições de 2022 em Alagoas, provavelmente teremos três grupos políticos para a disputa do Governo do Estado, um no entorno do governador Renan Filho, mais um no entorno de Arthur Lira e Marcelo Vitor e o outro no entorno do prefeito JHC.

O governador Renan Filho, por ter dois mandatos consecutivos, não poderá disputar o Governo do Estado. Um aspecto preocupante para ele é que, ao longo dos seus oito anos de mandato, não construiu junto ao seu grupo político um candidato com potencial eleitoral para ocupar a sua cadeira no Palácio dos Martírios. E isso é comprovado por todas as pesquisas realizadas até agora.

Caso Renan Filho renuncie ao cargo até o dia 2 de abril, o grupo de Arthur Lira e Marcelo Vitor, com certeza, elegerá o governador tampão que possivelmente deverá concorrer à reeleição. O nome mais cotado pelo grupo para ocupar o cargo de governador tampão é do deputado estadual Paulo Dantas. Se o deputado vier ser o escolhido pelos seus pares, para a sucessão de Renan Filho, pelo processo indireto, e caso venha a concorrer à reeleição em 2022, mesmo tendo a máquina estadual a seu favor, a sua possibilidade de vitória é muito remota, uma vez que é um mero desconhecido nos principais colégios eleitorais do Estado, principalmente em Maceió, que representa 30% do eleitorado de Alagoas.

O prefeito JHC em todas as pesquisas até agora divulgadas, lidera com folga a disputa para o Governo do Estado. Apesar de ser o franco favorito para suceder o governador Renan Filho, dois fatores deverão pesar na decisão de JHC para permanecer no cargo de prefeito: o primeiro consiste em que a data limite para a sua renuncia ao cargo ocorre em 2 de abril, o que, convenhamos, representa muito pouco tempo para mostrar as suas realizações à frente da cidade. O segundo fator é possibilidade de a prefeitura realizar um acordo com a mineradora Braskem e engordar o caixa com alguns bilhões o que lhe dará as condições de realizar obras impactantes na cidade de Maceió, tornando-o, quem sabe, o maior prefeito da história da capital de Alagoas.

Diante do fato de Renan Filho não ter construindo um candidato com densidade eleitoral para sucedê-lo e, sendo o candidato da Assembleia Legislativa, um mero desconhecido do grande eleitorado e caso JHC permaneça no cargo de prefeito, o pleito para o Governo do Estado, em 2022, poderá cair no colo de Rodrigo Cunha, mesmo sendo ele um senador com uma atuação bastante tímida no senado federal.

cadaminuto

.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo