‘Quando me contaram, meu mundo caiu’, diz mãe de autor do massacre de Suzano

Na sala de casa, onde assistia na TV às matérias sobre o massacre de Suzano, São Paulo, a mãe de um dos autores do crime, Tatiana Taucci, 35, conversou com a reportagem da Folha de São Paulo.

Ela contou como soube da tragédia e falou um pouco sobre Guilherme Taucci Monteiro, 17, revelando um relacionamento frágil e distante entre mãe e filho.

Guilherme e Luiz Henrique de Castro, 25, invadiram a Escola Estadual Professor Raul Brasil, onde estudaram, e abriram fogo contra coordenadora pedagógica, inspetora e alunos, matando sete pessoas e ferindo outras onze, na manhã desta quarta-feira (13).

Antes do massacre, a caminho do colégio, Guilherme parou na loja do tio, Jorge Antônio Moraes, irmão de sua mãe, onde já havia trabalhado, e atirou contra ele. O tio morreu no hospital.

A polícia afirma que, ao ouvir a aproximação da polícia, Luiz matou o colega e se matou.

“Cheguei na escola gritando pelo meu filho, dizendo que tinham machucado ele [meu irmão]. Quando me contaram o que tinha acontecido, meu mundo caiu”, diz na entrevista à Folha.

“Perdi meu filho e meu irmão. Não dá nem pra acreditar… Minha vida acabou”, desabafa, sentada na cadeira em que, segundo ela, Guilherme passava as madrugadas jogando no computador.

“Ele tinha internet, TV a cabo, tinha tudo. E o bobão faz isso?”, revolta-se. “Estou com muita raiva, de tudo.”

‘A gente quase não conversava’

A família diz nunca ter desconfiado de que Guilherme pudesse ter algum tipo de comportamento violento. “Nosso relacionamento até que não era ruim. Mas a gente quase não conversava”, revela a mãe.

Tatiana revela que Guilherme era viciado em jogos de computador e gritava enquanto jogava: “Vou te matar, vou te matar!”

Desempregada há dois anos e mãe de outras quatro crianças, duas das quais moram na mesma casa onde Guilherme vivia, Tatiana batalha contra uma dependência química, que a leva a passar boa parte do tempo nas ruas.

Guilherme foi criado pelos avós, Benedito Luiz Cardoso e Arlete Taucci, no bairro Jardim Imperador. “O pai e a mãe não estavam muito aí pra ele, sabe?”, diz o avô.

Ela rebate: “Agora a culpa é minha? Culpa é sua, que criou ele”.

Com a morte da avó, quatro meses atrás, Guilherme passou a dar sinais de tristeza permanente.

O dia do crime

Ao sair para o atentado, Guilherme deixou no chão do quarto uma foto queimada, que a mãe reconheceu como sendo sua com o pai do adolescente.

Segundo Tatiana, Guilherme abandonou a escola no ano passado, a um ano de concluir o ensino médio, porque dizia não aguentar mais ser “zoado por causa das espinhas do rosto”.

O avô pagou um tratamento para o neto, e sua pele “melhorou muito”. “Ontem mesmo, quando ele chegou da rua de noite, eu esquentei o jantar pra ele. Estava tudo bem”, lembra o avô, com a voz embargada. Guilherme comeu arroz, feijão e hambúrguer. “Ele adorava hambúrguer.”

Poucos metros da casa de Guilherme vivia Luiz Henrique, com os pais e irmãos. Luiz havia acabado de começar a trabalhar com o pai, que atua no ramo da jardinagem.

O avô, de 85 anos, teve de ser sedado quando soube que o neto havia protagonizado um massacre.

Guilherme e Luiz se conheceram na infância e, desde então, andavam sempre juntos. “Eram meninos normais. Falavam bom dia, boa tarde, boa noite. Não usavam drogas”, conta o motorista Cássio Nogueira, 39, vizinho que os viu crescer.

Os programas da dupla dos últimos tempos eram passeios pelo shopping e visitas regulares à LAN house do bairro, onde costumavam jogar video-games de tiros.

A tia e vizinha de Guilherme, Karina Mendes, 27, diz que está com medo de represálias. “A gente entra nas redes sociais e só vê gente xingando eles e dizendo que a culpa é da família, que temos todos de morrer também”, afirma. “Eu entendo a revolta das pessoas, mas não podemos pagar por aquilo que não fizemos. Estamos todos sofrendo, mas estamos com muito medo também.”

tnh1

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com