Lula diz que nunca soube de negociatas para o Brasil sediar a Rio 2016

Com a mesma gravata colorida com as cores do Brasil utilizada quando o país foi escolhido sede da Olimpíada de 2016, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva falou pela primeira vez desde que foi preso em Curitiba. De lá, por videoconferência, ele prestou depoimento nesta segunda-feira (5) como testemunha de defesa de Sérgio Cabral em ação penal que apura suposta compra de votos da “Rio-2016”.

A fala durou cerca de 50 minutos. Especificamente sobre a denúncia, Lula minimizou. “Eu não sei qual é o critério para alguém que diz que foi trapaça (a escolha da Rio-2016). Esse senhor (procurador) não deve conhecer nada”.

O juiz Marcelo Bretas, que conduziu a audiência, pediu que o ex-presidente falasse exclusivamente sobre as perguntas. Enquanto falava sobre a denúncia contra o ex-governador, foi interrompido pelo magistrado quando citou “denuncismo”.

“Nunca soube de nenhuma negociata, em nenhum momento. Inclusive assinei um decreto em 2009 que coagia transparência de todos os dados. Lamento muito que tenha surgido essa denúncia 8 anos depois”. Neste ponto, o magistrado pediu a palavra.

Questionado pela procuradora se houve uma troca de favores com o voto dos africanos para que o Brasil sediasse os jogos, Lula garantiu que não. “Não tem troca. Brasil apoiar África era uma coisa natural. Viajei 34 vezes para a África, abri 19 embaixadas na África. Isso dava aos africanos quase uma irmandade com o Brasil. Eu brigava para que continentes pobres tivessem direito de realizar Olimpíada”, garantiu.

Cabral presta condolências a Lula pela morte de D. Marisa

Antes das perguntas da defesa, Cabral se emocionou. Ele pediu para falar diretamente ao ex-presidente e dedicou condolências pela morte da ex-primeira dama.

“Estava preso quando Dona Marisa faleceu. Então, a transmissão dos meus sentimentos. Meu abraço ao senhor pelo falecimento da Dona Marisa. (O abraço) da Adriana (Ancelmo, ex-primeira dama do estado), meu e dos meus filhos”.

Ao final, houve também espaço para o humor. O juiz encerrou o depoimento dizendo que valorizava a importância histórica de Lula e lembrou as Diretas Já. Até que o ex-presidente o convidou para um comício.

“Senhor Luiz Inácio, muito obrigado. Inclusive pela postura que se portou. O senhor é uma figura importante no nosso país, é relevante sua história para todos nós. Para mim, inclusive. Aos 18 anos estava aqui num comício na Avenida Presidente Vargas com um milhão de pessoas e eu estava lá usando o boné e a camiseta com seu nome”, dizia o magistrado quando foi interrompido.

“Pode usar agora “o boné e a camisa”, rebateu Lula em alusão a sua pré-candidatura apesar da prisão. E completou. “Quando eu fizer um comício agora vou chamar o senhor para participar”.

gazetaweb

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com