MPT tenta banir trabalho escravo de casas de farinha de Alagoas

O Ministério Público do Trabalho (MPT) recomendou, nesta sexta-feira (18) que os proprietários de todas as casas de farinha do Agreste alagoano reabram os estabelecimentos e voltem a comercializar o produto, com a condição de que garantam medidas dignas de saúde e segurança a seus trabalhadores. A medida foi definida na Procuradoria do Trabalho em Arapiraca, durante audiência realizada com diversas instituições ligadas ao setor, depois que uma fiscalização resgatou 87 trabalhadores submetidos a condições degradantes em casas de farinha do município de Feira Grande (AL), no início deste mês.

O procurador do MPT Rodrigo Alencar afirmou que os proprietários das casas de farinha deverão oferecer água potável e instalações sanitárias adequadas a seus empregados, respeitar a jornada de trabalho dentro dos limites legais e coibir qualquer forma de trabalho infantil. O procurador do MPT também recomendou que os estabelecimentos passem por avaliação de um técnico de Saúde e Segurança do Trabalho, que deve avaliar a existência de risco grave e iminente para a segurança e saúde dos trabalhadores.

Segundo Alencar, a recomendação do MPT tem o objetivo de manter a única fonte de emprego e renda de muitos trabalhadores da região e, ao mesmo tempo, garantir que a atividade seja realizada de forma digna, sem qualquer forma de condição subumana ou de risco aos trabalhadores. “Recomendamos o retorno das atividades porque as casas de farinha são o único meio de sobrevivência de muitos trabalhadores. Se os proprietários seguirem as normas previstas na lei, eles se livram do rótulo de trabalho degradante e voltam a produzir sem a preocupação de uma fiscalização trabalhista”, disse o procurador.

O MPT também orientou que as empresas beneficiadoras da farinha de mandioca podem retomar a compra do produto, a partir desta sexta-feira, 18, sem receio de penalização pelos órgãos de fiscalização trabalhista.

Durante a audiência, representantes da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag), Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), União Nacional das Cooperativas de Agricultura Familiar e Economia Solidária (UNICAFES), Sebrae Alagoas, Sindicatos de Trabalhadores Rurais e proprietários das distribuidoras discutiram a situação da produção da farinha no estado. Dentre as propostas, as instituições propuseram a criação de um selo de qualidade para a comercialização legal da farinha de mandioca e a implementação de um programa de regularização com a inclusão dos produtores.

Audiências

Um Procedimento Promocional foi instaurado pelo MPT para tratar das questões trabalhista e social, para que a cadeia produtiva da mandioca seja analisada de maneira geral. No dia 14 de junho, às 9h, será realizada audiência com a Secretaria da Fazenda (Sefaz), Instituto de Meio Ambiente (IMA), Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Turismo (Sedetur), Secretaria de Agricultura (Seagri) e Fiscalização Preventiva Integrada (FPI), além do Ministério da Agricultura, Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) e Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA).

Já no dia 15 de junho, às 9h, devem comparecer os Conselhos Tutelares, Secretarias de Assistência Social e prefeitos dos municípios envolvidos. E, também no dia 15, às 13h, participam de audiência os compradores e distribuidores da mandioca. Todos os encontros acontecem na Procuradoria do Trabalho em Arapiraca (por trás do Arapiraca Garden Shopping). (Com informações da Ascom do MPT)

diariodopoder

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com