Ação penal contra o ataque de Ronaldo Lessa ao MPF desce para o TRF-5

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), enviou hoje (10) ao Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) a ação penal contra o ex-governador de Alagoas e deputado federal Ronaldo Lessa (PDT-AL), aplicando o entendimento recém-firmado  pelo plenário do STF sobre o foro privilegiado para parlamentares. Outros cinco congressistas foram enquadrados no entendimento do STF de que só devem tramitar no Supremo investigações contra parlamentares que apurem fatos ocorridos durante e em razão do mandato.

O coordenador da bancada federal alagoana do Congresso foi denunciado por calúnia, injúria e crime de ameaça, em 2013, após atacar integrantes do MPF, ao reagir contra o procurador da República Anselmo Henrique Cordeiro Lopes, que o havia denunciado por desvio de recursos públicos na reforma da unidade de saúde Dr. Aramando Lages, atual Hospital Geral do Estado (HGE), em Maceió (AL).

O advogado do deputado Ronaldo Lessa, Gedir Medeiros Campos Jr. explicou ao Diário do Poder que a ação penal nº 1000 é uma apelação do MPF, contra a absolvição do deputado.

Segundo a denúncia do MPF, o ataque ocorreu em entrevistas à imprensa, nos dias 19 e 20 de fevereiro de 2013, quando Ronaldo Lessa qualificou o procurador que o denunciou, entre outras ofensas, de “ladrão, irresponsável e leviano”. Lessa ainda atacou o MPF instituição quando afirmou que a ação proposta seria “mais uma atitude leviana de agentes do Ministério Público, essas pessoas deviam respeitar a instituição, que tem muito vagabundo dentro do Ministério Público…”.

Na ocasião, a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) emitiu uma nota de repúdio às declarações do ex-governador.

“Em nenhum momento o Ronaldo Lessa teve a intenção de injuriar Foi uma defesa Isso ficou demonstrado no processo é assim foi decidido na sentença”, disse o advogado de Ronaldo Lessa.

De todos os processos baixados de instância pelo ministro Celso de Mello, três são ações penais, quando já houve denúncia aceita e o investigado passou à condição de réu. Outros três são inquéritos, ainda na fase de apuração pela autoridade policial e promotores.

Confira abaixo quais são e para onde foram os processos declinados nesta quinta-feira por Celso de Mello:

Ações penais

 – Senador Dário Berger (MDB-SC) – denunciado por supostos desvios na construção de uma rodovia quando era prefeito de São José (SC), no ano 2000. O processo foi enviado para o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

– Deputado Subtenente Gonzaga (PDT-MG) – denunciado por gestão fraudulenta de entidade previdenciária entre os anos de 2004 e 2005. O processo foi enviado para o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1).

– Deputado Ronaldo Lessa (PDT-AL) – denunciado por calúnia em 2013 após atacar procuradores da República que o haviam denunciado em outro processo. O caso foi remetido para o Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5).

Inquéritos

– Deputado Marco Tebaldi (PSDB-SC) – Investigado por desvios de recursos públicos. O caso foi enviado para o Tribunal de Justiça de Santa Catarina

– Deputada Shéridan (PSDB-RR) – Investigada por compra de votos durante a campanha eleitoral quando era primeira-dama de Roraima, em 2009. O caso foi enviado para a Justiça Eleitoral do estado.

– Deputado Victor Mendes (MDB-MA) – Não há detalhes sobre o caso, pois o processo tramita em sigilo. O inquérito foi enviado ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1). (Com informações da Agência Brasil)

diariodopoder

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com