Sem ressarcimento, candidatos ao TJ ameaçam processar FGV por danos morais

Alguns candidatos estão cobrando ressarcimento de custos após deixarem de fazer provas para o cargo de oficial de justiça do Poder Judiciário, no dia 25 de março. Sem o retorno e com poucos esclarecimentos, eles ameaçam ingressar com uma ação por danos morais contra a empresa que elaborou as provas.

Cerca de 1,4% do montante de provas daquele concurso deixou de ser aplicado por conta de falhas identificadas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), responsável pela organização do certame.

Pablo Pinto é de Fortaleza-CE e veio a Alagoas somente para concorrer ao cargo de Oficial de Justiça.

O concurseiro alega ter gastado cerca de R$ 2 mil com a tentativa, por isso se sente completamente lesado por não ter feito a prova.

Ele conta que não poderá participar próxima aplicação – em 13 de maio – pois o custo para retornar ao estado é muito alto e, sem o ressarcimento do valor anteriormente gasto, o concurseiro não terá condições de voltar a Alagoas.

“Representantes da FGV prometeram em todas as salas [onde as provas seriam aplicadas] o ressarcimento de gastos de quem era de fora e até agora nada. A gente manda e-mail e eles dão resposta aleatória”, reclama Pablo, da falta de informações por parte da empresa.

Concurseiro reclama da falta de retorno quanto o reembolso dos gastos

FOTO: CORTESIA À GAZETAWEB

 

Assim como Pablo, há centenas de pessoas na mesma situação. Os concurseiros se reuniram em um grupo, por meio de rede social, e planejam entrar na justiça com ação de indenização por danos morais e materiais contra a FGV. O número de inscritos para o cargo foi de 3.711.

Jéssica Marques, também do Ceará, disse que reservou passagens aéreas com bastante antecedência, o que tornou a sua vinda a Alagoas mais acessível. A candidata gastou em torno de R$ 1.500. “Infelizmente, não poderei voltar, as passagens estão muito caras, em torno de mil reais. Tive muita despesa com esse concurso”, alega.

A estudante lamenta por deixar de disputar uma vaga no TJ/AL. “Estudo desde o ano passado pra concurso, mas com a abertura deste edital em dezembro, deixei de viajar durante o réveillon e carnaval, me dedicando apenas para este concurso”, destaca.

Por meio de nota, o TJ informa que a comissão do concurso está em contato com a FGV e reforça que os candidatos não serão prejudicados.

Confira na íntegra:

A Comissão do Concurso do Tribunal de Justiça de Alagoas informa que está em contato com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), afim de que sejam iniciados, o mais breve possível, os trâmites para requisição de ressarcimento dos candidatos que fizeram a prova para o cargo de Oficial de Justiça. Os procedimentos serão iniciados nos próximos dias e a Comissão ratifica que os candidatos não serão prejudicados.
Gazetaweb

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com