Responsável pela morte de agropecuarista é identificado e PC cruza dados para pedir prisão

O laudo do Instituto Médico Legal (IML) ainda está sendo confeccionado, mas familiares do agropecuarista Cristóvão Rodrigues confirmaram que o corpo encontrado dentro de um veículo carbonizado é da vítima que estava desaparecida desde agosto. O veículo foi localizado com ajuda de populares e diversos objetos particulares de Cristóvão, como uma corrente de ouro, relógio e um canivete estavam dentro do automóvel.

Com essas informações, a Polícia Civil fortalecerá as investigações com o cruzamento das informações e provas já coletadas para solicitar à Justiça a prisão do acusado de articular o crime.

O delegado Guilherme Iusten afirmou que existem elementos para ingressar com o pedido de prisão de suspeitos do crime, no entanto, é necessário fortalecer os objetos de investigação para dar mais consistência ao pedido de prisão.

Ele afirmou que diversas linhas investigação foram traçadas pelos investigadores e agora com a confirmação do homicídio todo material coletado será traçado.

Leia mais:  Veículo encontrado em Pilar com corpo carbonizado pode ser do agropecuarista desaparecido, diz polícia

Leia mais:  IML aguarda documentação para identificar ossada que pode ser de agropecuarista

 

“Agora nos temos a materialidade do fato, já que antes ele era tido apenas como desaparecido e agora podemos dizer que se trata de um homicídio”, enfatizou ele. Segundo o delegado, a identificação do veículo foi possível através do número do chassi e a ossada humana apresentava uma marca de tiro no crânio.

Provavelmente esse tiro pode ter sido deflagrado da arma usada pela vítima. Uma das linhas levantadas pela polícia é de que o Cristóvão praticava agiotagem.

O caso

Desde o dia 03 de agosto, familiares e amigos do agropecuarista, Cristóvão Rodrigues, de 61 anos, sem notícias iniciaram buscas do paradeiro dele e pedem ajuda para encontrá-lo. Cristóvão foi visto pela última vez quando voltava da cidade de Murici com destino para Maceió.

De acordo com o filho do agropecuarista, Cristiano Rodrigues, a família registrou o Boletim de Ocorrência (BO) no dia 07 de agosto. “Notamos que tinha algo estranho porque ele não tinha retornado da fazenda que tinha ido no dia 03 deste mês, mas ele sempre ia para lá e como no local não há sinal de telefone, achamos que ele ainda continuava na fazenda”, comentou.

“Fizemos o BO e a Deic segue investigando, mas até agora não temos retorno e não nos informaram nenhuma linha de investigação”, disse o filho do agropecuarista.

cadaminuto

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com