csm_batalha3_9c58eec9f6

Exclusivo: perícia detalha cenas de crimes que transformaram Batalha em ‘zona de guerra’

Manchas de sangue, cápsulas de balas de uso restrito às Forças Armadas, marcas de tiros… São vestígios como esses, encontrados nos locais dos crimes onde foi assassinado o vereador Adelmo Rodrigues de Melo, o Neguinho Boiadeiro, e onde foi baleado o fazendeiro José Emílio Dantas, que vão “desenhar” o mapa da perícia criminal, iniciada ontem com o trabalho de coleta de informações.

O perito Edmundo Andrade, do Instituto de Criminalística de Alagoas, foi o profissional designado para o trabalho. Ele esteve na cidade de Batalha, na tarde dessa quinta, onde começou o levantamento, e nesta manhã (10) conversou com a reportagem.

Com as informações do perito, o TNH1 conseguiu elaborar um roteiro que vai ajudar a compreender os fatos, passo a passo. O primeiro crime ocorreu em frente à Câmara de Vereadores de Batalha; veja o gráfico:

O perito informou que os assassinos de Neguinho Boiadeiro estariam usando armas de calibre 9 mm, de uso restrito das forças armadas, e que mais de uma pessoa pode ter efetuado os disparos.

“Os disparos são de um único calibre, mas os dois estavam armados e houve vários disparos. Dois tiros, no local em que o motorista estava, que entraram no carro pelo parabrisas, na frente do lugar do motorista e o atingiram, mas não sei precisar o local do corpo em que a bala o atingiu. Isso só o laudo da necropsia vai apontar”, revelou.

Atentado: “Não mataram porque não quiseram

O segundo caso, que pode ter sido uma possível reação da família de Boiadeiro, conforme as investigações, e vitimou o empresário José Emílio Dantas. Ele foi baleado, mas sobreviveu; confira o gráfico.

O perito Edmundo Andrade foi enfático ao afirmar que os agressores não quiseram concluir o crime.

“Na residência foi pesado. Foram disparos de vários calibres. Eram duas ou três pessoas, entraram pelo único portão da casa, onde José Emílio estava com a esposa e duas crianças e não mataram porque não quiseram”, informou.

Esse disse ainda que nesse local foram encontradas cápsulas de armas de três calibres, duas delas de uso restrito as forças armadas. “Nós coletamos várias capsulas de 9 mm e ponto 45, que são armas de uso restrito das forças armadas, e de 380”, explicou.

Andrade esclareceu que tem dez dias para concluir o laudo. Ele informou que deverá se debruçar sobre esses dois casos a partir da próxima segunda-feira (13) e que poderá pedir prorrogação do prazo dependendo da complexidade dos dados coletados.

tnh1

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com