201707221528_75208919ff

AGU recorre à Justiça para barrar visita íntima a 68 detentos em presídios

Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu à Justiça Federal para tentar revogar uma decisão liminar (provisória) que abriu exceção para 68 detentos de penitenciárias federais, dando a eles o direito de receber visitas íntimas. Esse tipo de benefício está suspenso nos cinco presídios da União desde maio, mas o grupo é amparado por uma decisão da 12ª Vara Federal. Não há prazo para uma decisão sobre o tema.

No recurso, a AGU afirma que a permissão das visitas íntimas “ignora as razões de segurança pública que motivaram o ato” do Departamento Penitenciário Nacional (Depen). O órgão vinculado ao Ministério da Justiça suspendeu as visitas depois que uma psicóloga que atuava no presídio de Catanduvas foi emboscada e assassinada ao chegar em casa.

A Polícia Federal suspeita que a morte tenha sido encomendada de dentro dos presídios. Por isso, a Justiça autorizou a suspensão do benefício em todos os presídios até junho.

A medida foi prorrogada, e expira no próximo dia 28. Desta vez, no entanto, o Depen pediu a liberação das visitas em parlatório – aquele sistema com interfone, em que preso e visitante ficam separados por vidros – e videoconferência. Seguem proibidas apenas as visitas com contato físico.

O que diz o recurso

O recurso da AGU é chamado, em termos jurídicos, de “defesa de ato” do Depen. No documento, os advogados da União argumentam que o veto às visitas “justifica-se para preservação da vida, integridade física e segurança de agentes penitenciários federais”.

A defesa de ato foi protocolada no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), com sede no DF, e será analisada pelo desembargador Néviton Guedes. Até a tarde deste sábado (22), o sistema eletrônico do tribunal não exibia nenhuma decisão sobre o tema.

No texto, a AGU pedia que o processo fosse distribuído ao desembargador Cândido Ribeiro – o mesmo que, nesta sexta, revogou a permissão de visita íntima ao traficante Marcinho VP. O G1 não conseguiu contato com o TRF para saber o motivo de o recurso, relacionado ao mesmo processo, ser analisado por um outro desembargador.

A argumentação da AGU cita que, desde setembro, três servidores do Sistema Penitenciário Federal foram assassinados “com fortes características de execuções pela função pública que exercem, ou seja, afronta, retaliação e revide à instituição pública e ao Estado brasileiro”.

Marcinho VP

Cumprindo pena na Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte, o traficante carioca Marcinho VP foi o primeiro a receber decisão favorável para retomar as visitas íntimas – e em seguida, o primeiro a ter o direito revogado. Márcio dos Santos Nepomuceno é apontado como chefe da maior facção criminosa do Rio de Janeiro.

Em junho, a defesa de Marcinho VP pediu à Justiça Federal que abrisse uma exceção para o traficante. Em resposta, o juiz Marcus Vinícius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal, emitiu um mandado de segurança – decisão usada para garantir direitos ou evitar abuso de poder – liberando as visitas íntimas para este preso.

Na decisão, Bastos argumentava que Marcinho VP “tinha bom comportamento”, e que não havia uma relação explícita entre ele e o assassinato da psicóloga no Paraná, usado para embasar a proibição. Com base nessa sentença, outros 68 detentos recorreram e também foram atendidos.

O nome “Marcinho VP” foi usado, nas últimas décadas, por dois traficantes que atuaram em áreas diferentes do Rio. Nos anos 1990, Márcio Amaro de Oliveira ficou “famoso” com o mesmo nome ao atuar em parceria com cineastas na favela Dona Marta, em Botafogo. Preso em 2003, ele morreu estrangulado em Bangu III dois meses depois.

gazetaweb.globo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com