renan calheiros e romero juca by fabio rodrigues pozzebom

Senadores do PMDB se reunirão com Temer à revelia de Renan e a convite de Jucá

nquanto o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) segue com sua estratégia eleitoral para tentar aplacar a antipatia do eleitor alagoano, criticando as propostas do governo de seu partido para reformas trabalhista e previdenciária, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), convidou os senadores peemedebistas para uma reunião com o presidente Michel Temer, na próxima terça-feira (9), às 11h, no Palácio do Planalto. A iniciativa, na prática, ignorou Renan como líder da bancada.

O objetivo da reunião é justamente defender o apoio dos peemedebistas às reformas, independentemente da postura de Renan. A proposta que modifica a CLT chegou esta semana ao Senado. Aliados de Temer afirmam que a ideia é evitar o confronto com o líder da bancada, mas também “não supervalorizá-lo” e dar seguimento à proposta na Casa.

Interlocutores de Temer dizem ainda que ele está buscando “abrir espaço” para ouvir senadores descontentes com Renan. O presidente tem criado um canal direto com senadores do PMDB, já que não conta com a interlocução de Renan a seu favor para a aprovação das reformas. Ontem, por exemplo, ele recebeu a senadora Rose de Freitas (PMDB-ES) no Planalto.

Fato cada vez mais consolidado é que o desespero de Renan diante das incertezas de sua própria reeleição o tornou líder de si mesmo, porque já aparece entre a 4ª e a 6ª colocação em pesquisas de intenção de votos em seu Estado.

Na quarta-feira (3), uma ala do PMDB insatisfeita com Renan fracassou na tentativa de destituí-lo: só conseguiu reunir o apoio de oito dos 12 votos necessários para afastar o atual líder. Após o episódio, a senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) chegou a pedir uma reunião da bancada com Renan, que rejeitou o pedido e marcou um encontro para terça à noite.

O movimento contra Renan se intensificou após ele atuar para que a reforma trabalhista também passe pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), além das Comissões de Assuntos Econômicos (CAE) e de Assuntos Sociais (CAS), o que atrasará a tramitação em cerca de 30 dias. Na mesma semana, Renan se reuniu com a oposição e líderes sindicais para defender mudanças no texto.

Apesar disso, o presidente da CCJ, Edison Lobão (PMDB-MA), tido como aliado de Renan, escolheu Jucá para a relatoria do texto. A escolha do líder do governo foi vista como uma vitória para integrantes do Palácio. A visão é de que Renan, apesar de não estar totalmente isolado na bancada, não tem mais “a força de antes”. (AE)

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com