Notícias
deputado-federal-ronaldo-lessa-e-prefeito-de-maceio-rui-palmeira-foto-secom-maceio

LESSA NEGA TER ACORDO COM RUI PARA 2018 E ADMITE DISPUTAR SENADO

O desempenho do deputado federal Ronaldo Lessa (PDT) como articulador das principais vitórias eleitorais dos dois últimos pleitos em Alagoas o incluiu no grupo dos que têm independência e poder suficientes para dar as cartas do jogo político de Alagoas. Ciente disto, Lessa já admite a possibilidade de ser candidato a senador e deixa claro que não firmou contrato de fidelização com nenhum de seus aliados atuais, para o pleito de 2018.

Lessa foi peça importante para as eleições do governador Renan Filho (PMDB), em 2014, e em menos de dois anos, se opôs aos Calheiros para contribuir com a reeleição de Rui Palmeira (PSDB) como prefeito de Maceió, em outubro passado.

“Minha proposta em mente é voltar para o cargo que eu tenho, que é o mais natural, normal. Agora, se houver uma possibilidade de eu se senador, eu gostaria. É um cargo que eu nunca fui. Mas isso não é um projeto de vida: ‘Eu tenho que ser senador’. De forma nenhuma. Se eu fizer um bom mandato de deputado e me reeleger, está ótimo. Agora, se a conjuntura me oferece uma oportunidade de ser senador da República, eu teria muita honra de representar Alagoas”, disse Ronaldo Lessa, ao Diário do Poder.

LESSA ARTICULOU CAMPANHA DE RENAN FILHO E RUI (FOTO: FACEBOOK)

2018 DISTANTE

Enquanto cresce o buchicho de que Ronaldo Lessa já trilha caminho inverso para recompor seu espaço no governo do PMDB, o deputado nega ter havido convite ou abordagem pessoal de Renan Filho. Mas disse ao Diário do Poder que discutiria com o governador e com o PDT tranquilamente sobre uma possível e nova composição com o Governo Estadual.

Como se previsse o vexame por que passaria junto com seu pai e presidente do Senado, Renan Filho puniu Lessa sumariamente, banindo o PDT do governo, quando o deputado antecipou-se ao governador e anunciou apoio a Rui, em um momento em que os Calheiros ainda flertavam com a aliança com a candidatura do prefeito tucano.

Sobre a possibilidade de Rui ou Renan Filho atrelarem a ocupação de cargos a um eventual acordo político visando as eleições de 2018, o deputado federal disse não tomar decisões sem debate interno com o PDT. Mas acredita que a conversa com Renan Filho não passe por um acordo para 2018.

“Não. Não pode passar, porque 2018 tá longe. Não dá para você decidir agora uma situação desse tipo. Ninguém me colocou nada nesse nível. Falou em aproximação de estar dentro do Governo [Estadual]. Como estou trabalhando para a Prefeitura também. A gente continua, independente de qualquer coisa. O prefeito Rui Palmeira não me cobra, por exemplo, que eu não possa me aproximar ou ter um espaço do partido dentro do governo [de Renan Filho]. Se o Governo do Estado acha que o PDT pode ajudar, a gente fica. A não ser que algum dos dois coloque como exclusão. Até agora, não foi colocado”, assegurou Lessa.

SEM PRESSÃO NEM MÁGOAS

O ex-governador de Alagoas lembrou que, apesar de ter sido alvo de uma reação dura de Renan Filho contra a aliança com Rui, o PDT manteve alianças com o PMDB em cidades como Penedo e Palmeira dos Índios, mesmo banido pelo governador.

“Não coloquei o PMDB como meu adversário. Aqui, nesse caso, se for colocado isso para a gente, a gente vai decidir. Senta e põe. Hoje, a gente está na Prefeitura. No nosso caso, seria discutir: ‘Sai da Prefeitura para ir para o Governo?’. Se chegar a esse momento, se discute. Mas, até agora, não houve nenhuma proposta para a gente decidir isso”, disse Lessa.

E o Diário do Poder quis saber: Então não há atualmente nenhuma ‘cláusula contratual’ que dure até 2018 com o PSDB?

“Não, não tem. Não tem nenhuma. Nenhuma”, respondeu Ronaldo Lessa, que citou ter simpatia pela ocupação de pastas como a Educação, Infraestrutura, Trabalho, Esporte ou Cultura, caso reintegre o governo estadual.

diariodopoder

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com