1281633035tj

Desembargadora autoriza vaquejada em Pilar e mais dois municípios

A desembargadora Elisabeth Carvalho Nascimento do Tribunal de Justiça (TJ/AL) autorizou, na tarde desta sexta-feira (25), a realização da Vaquejada do município de Pilar. Segundo a decisão, a proibição da realização dos eventos da vaquejada podem causar prejuízos incalculáveis a um número indeterminado de pessoas que, direta ou indiretamente, dependem de recursos financeiros gerados pelos eventos em questão.

“O entendimento pela suspensão da vaquejada demanda aprofundamento probatório, de modo que não se pode que não se pode assumir ou comprovar, ao menos neste momento processual, a gravidade, no caso concreto, dos riscos ofertados aos animais envolvidos”, disse a desembargadora.

Segundo a assessoria de comunicação do Tribunal de Justiça, a decisão serve também para os municípios de Satuba e Santa Luzia do Norte.

Tem-se, na origem, na ação pública, ajuizada pelo Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE) em face da Associação Brasileira dos Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ABMQ) e município de Pilar requerendo a concessão de provimento judicial no sentido de proibir a realização de vaquejadas naquele município.

Na liminar, o Ministério Público, buscou impedir a disputa de vaquejada prevista para os dias 23 a 27 de novembro, bem como que o município demandado revogasse todo e qualquer ato administrativo que já tenha sido emitido em que se autorizou a realização de qualquer vaquejada.

A ABMQ apresentou o recurso sustentando a necessidade de suspensão de decisão e fundamentou o processo no ato normativo infraconstitucional do Estado do Ceará.

Responsabilidades e pedidos

O Ministério Público do Estado de Alagoas havia responsabilizado a Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha por prosseguir com a organização do 14º Campeonato Brasileiro de Vaquejada, a despeito do julgamento do STF sobre a inconstitucionalidade da legislação que regula a vaquejada, iniciado em agosto de 2015 e passível de acabar em qualquer uma das sessões da Corte neste ano. Para o órgão ministerial, a ABQM assumiu o risco de perder os investimentos ao saber que o evento poderia ser cancelado a qualquer momento.

No que se refere à condição de polo passivo da demanda do Município de Pilar, o promotor de Justiça Jorge Dória explica que o ente federativo autorizou tacitamente a realização da vaquejada e de vários outras já realizadas na cidade, vinculando-se a uma atividade ilícita e agora inconstitucional. Para o titular da Promotoria de Justiça de Pilar, a conduta do Município contraria a ordem jurídica vigente e demanda intervenção judicial para reverter a situação.

Além do pedido de medida liminar para impedimento da 14º Campeonato Brasileiro de Vaquejada, sob o argumento da proximidade do evento, o Ministério Público Estadual requereu que a ABQM e o Município de Pilar não pudessem autorizar, apoiar, patrocinar e realizar qualquer ato que importe ou contribua com a realização de qualquer espetáculo de vaquejada. O órgão ministerial também quer que a autoridade municipal revoque todos os atos administrativos que já tenham sido emitidos em benefício da atividade.

Caso a decisão judicial fosse descumprida, as partes demandadas pagariam uma multa diária de R$ 100 mil, além da apreensão dos instrumentos utilizados na atividade e dos respectivos animais. A desobediência à determinação poderá implicar também em prisão dos responsáveis por flagrante delito e persecução criminal pelos crimes que o descumprimento da ordem vier a importar.

.cadaminuto

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com