juros-recorde-1

Cai nº de maceioenses que não têm como pagar dívidas, diz Fecomércio

Dados do Instituto Fecomércio de Estudos, Pesquisas e Desenvolvimento de Alagoas(IFEPD), divulgados nesta segunda-feira (26), revelam que caiu para 53% o número de maceioenses com dívidas em atraso que dizem não ter como pagá-las. Em julho, esse percentual era de 59,8%.

Segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor de Maceió (PEIC), 49.963 consumidores estavam nessa condição em agosto. No mês anterior eram 53.523.

Um outro dado positivo para o comércio na capital alagoana é que o endividamento do maceioense subiu pelo terceiro mês consecutivo, 2,1% de julho para agosto. Isso quer dizer que os consumidores estão comprando mais, movimentando a economia local.

“Analisando os dados, percebe-se um retorno positivo e disciplinado por meio de serviços financeiros, sinalizando que as pessoas estão utilizando cartões de crédito, financiando imóveis, carros e requerendo empréstimos na economia”, afirma Felippe Rocha, assessor econômico da Fecomércio.

No total de 61,9% dos consumidores que possuem dívidas, 26,9% se consideram muito endividados, 19% acreditam estar em um nível intermediário e 26%, pouco endividados. 38,1% dos entrevistados disseram não ter dívidas. O número de inadimplentes caiu 6,66%.

“Isso demonstra que apesar do aumento do consumo por meio do crédito, não houve elevação na inadimplência. Na prática, as pessoas estão consumindo sem comprometer a capacidade de pagamento, deixando uma margem em sua renda”, explica o assessor econômico da Fecomércio.

Levando-se em consideração o nível de renda dos entrevistados, o maior número de endividados está entre as pessoas que recebem até 10 salários mínimos.

A principal forma de endividamento é com o cartão de crédito. Esse tipo de dívida subiu 1% entre julho e agosto. Também apresentaram crescimento o uso de carnês de lojas (0,8%) e o crédito consignado (0,6%).

O tempo que os inadimplentes levam para se livrar de dívidas diminuiu em agosto. Em julho, eram necessários 65 dias, agora são 61,7. O número de parcelas que mantêm as pessoas endividadas também apresentou queda, passando de 6,1 meses em julho para 5,5 meses em agosto.

G1

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com