201608151102_b810b15e42

Sérgio Moro aceita denúncia contra ex-tesoureiro do PT e mais 13

O ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT) Paulo Ferreira e mais 13 pessoas viraram réus em processo que apura irregularidades nas obras de construção do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), da Petrobras, no Rio de Janeiro. A denúncia foi apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) na terça-feira (9) e aceita pelo juiz Sérgio Moro na sexta-feira (12).

As obras foram o foco da 31ª fase da Operação Lava Jato, desencadeada em julho deste ano. A denúncia cita os crimes de lavagem de dinheiro e corrupção. O MPF afirma que o Consórcio Novo Cenpes pagou R$ 20 milhões em propina para conseguir o contrato para execução das obras do Centro de Pesquisa de Petrobras. A irregularidade ocorreu entre 2007 e 2012.

Assim que a denúncia foi apresentada, o PT negou as acusações. “O PT refuta as ilações apresentadas. Todas as operações financeiras foram realizadas estritamente dentro dos parâmetros legais e posteriormente declaradas à Justiça Eleitoral”.

Réus

Adir Assad – empresário e doleiro

Agenor Franklin Magalhães Medeiros – OAS

Alexandre Correa de Oliveira Romano – ex-vereador do Partido dos Trabalhadores (PT)

Edison Freire Coutinho – Grupo Schahin

Erasto Messias da Silva Júnior – Construtora Ferreira Guedes

Genésio Schiavinato Júnior – Construbase

José Aldemário Pinheiro Filho – (Léo Pinheiro) – ex-presidente da OAS

José Antônio Marsílio Schwarz – Grupo Schahin

Paulo Adalberto Alves Ferreira – ex-tesoureiro do PT

Renato de Souza Duque – ex-diretor de Serviços da Petrobras

Ricardo Backheuser Pernambuco – Carioca Engenharia

Rodrigo Morales – operador

Roberto Ribeiro Capobianco – Construcap

Roberto Trombeta – contador

A denúncia apresentava 15 nomes. Porém, o nome de Ricarbo Pernambuco Backheuser Júnior foi retirado devido a um acordo de colaboração com a força-tarefa.

O G1 tenta contato com os advogados dos investigados.

As suspeitas

O consórcio era composto pela OAS, Carioca Engenharia, Construbase Engenharia, Schahin Engenharia e Construcap CCPS Engenharia. OAS e Shahin Engenharia já eram investigadas pela Lava Jato.

O contrato firmado estava inicialmente previsto no valor de cerca de R$ 850 milhões, entretanto, depois de sucessivos aditivos, superou o montante consolidado de R$ 1 bilhão.

Os procuradores disseram que consórcio pagou para a WTorres não participasse da licitação. A empresa chegou a apresentar um valor mais baixo para a obra.

Os denunciados, de acordo com o Ministério Público Federal, dividiram tarefas e desempenharam diferentes funções no interesse da organização criminosa. A força-tarefa afirma que para que o contrato fosse realizado, executivos do Consórcio Novo Cenpes pagaram a propina para funcionários do alto escalão da Petrobras e representantes do PT.

Assim que a 31ª fase da Lava Jato se tornou pública, o MPF afirmou que Alexandre Romano, que é ex-vereador da cidade de Americana (SP), confessou ter repassado mais de R$ 1 milhão do Consórcio Nova Cenpes para Ferreira, por meio de contratos simulados.

gazetaweb.globo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com