banner_blog_tnh1_ricardo_mota

Protesto do Sinteal aponta Renan Filho como o “verdadeiro” Téo Vilela

Se formos nos guiar pelas faixas que o Sinteal espalhou pela cidade, o verdadeiro Téo Vilela é o governador Renan Filho.

Não é difícil de entender.

Ainda que tardio, o protesto do principal sindicato dos servidores públicos estaduais denuncia ações do governo do Estado ao modo dos tempos em que Vilela foi governador.

Renan Filho é acusado, na faixa, de desrespeitar a data-base dos servidores – principalmente da Educação -, de querer privatizar o serviço público estadual e até de “governar para os ricos”.

Se a nossa memória for em busca do passado recente de Alagoas, vamos lembrar que as palavras de ordem eram as mesmas destinadas ao governador tucano.

Só que Vilela não foi tão longe quanto o seu sucessor, que já anunciou, entre outras coisas, que vai contratar uma Organização Social – OS – para administrar o HGE.

O tema é polêmico e nem ao menos chegou a ser sugerida publicamente pelo ex-governador.

Se comparada a política salarial de Vilela em relação ao atual governo, o tal desrespeito nunca foi tão grande.

Deixo claro: não defendo as relações entre o antigo governo e o funcionalismo estadual, mas ainda que consideremos a mudança de cenário econômico – para pior – na atual gestão, não dá para não concluir que as perdas são bem maiores, agora.

O problema para os sindicatos dos servidores, a esta altura, é mais político. Como havia um alinhamento com o PMDB – a maioria dos sindicalistas é do PT -, nitidamente o tratamento a Renan Filho era mais suave: Vilela apanhou bem mais.

Ao tentar retomar agora a mobilização dos servidores, o Sinteal – e demais entidades – talvez tenha mesmo de se contentar com as faixas espalhadas pela cidade, que não chegam a provocar maiores estragos.

Lembrando que o PT e seu maior aliado – não na eleição deste ano – estão dentro do governo Renan Filho, cada um com uma secretaria de Estado (Ênio Lins, da Comunicação, é da cota pessoal do senador Renan Calheiros).

Assim, quando criticavam Vilela pelo governo “neoliberal”, os sindicatos não podiam imaginar o que ainda vinha pela frente.

blog.tnh1.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com